S.S. Lazio

  A história laziale: de Luigi Bigiarelli até os dias de hoje


Em 9 de Janeiro de 1900, nove jovens esportistasOdoacre Aloisi, Arturo Balestrieri, Alceste Grifoni, Giulio Lefevre, Galileo Massa, Alberto Mesones, Enrico Venier e os irmãos Giacomo e Luigi Bigiarelli - se reuniram, liderados pelo último, na Piazza della Libertà, em Roma, para fundar uma equipe, que, durante o rigoroso inverno, se dedicará às competições de corrida e caminhada.

Luigi Bigiarelli, campeão de corridas, sugeriu o nome: o clube não se chamaria Roma, como a cidade; levaria um nome maior; o nome da região. Surgia a Società Podistica Lazio — que, em 1925, seria renomeada Società Sportiva Lazio. As cores, celeste e branco, foram inspiradas na bandeira da Grécia, berço dos jogos olímpicos. Para representar a equipe, adotaram a águia, símbolo dos exércitos e legiões da Roma Antiga. Dali nascia o que virá ser uma das maiores e mais antigas equipes poliesportivas do mundo, com atletas em mais de 40 modalidades. A equipe que receberá o título de Ente Moral, a Estrela e o Colar de Ouro ao Mérito Esportivo.


Um ano depois, Bruto Seghettini lhes apresentou a bola de futebol, explicando as regras do jogo que era sucesso na Inglaterra. A ideia agradou os rapazes, que começaram a difundir o futebol em Roma, e tornaram imbatíveis na região, vencendo o primeiro jogo entre dois times romanos, e praticamente tudo que disputavam. A fama dos jovens atravessa as fronteiras regionais: vão à Pisa disputar as finais do primeiro campeonato centro-meridional, e vencem três partidas no mesmo dia, contra Lucca, Pisa e Livorno. A nível nacional, a Lazio também atingiu as finais, mas perdeu para equipes do norte da Itália, onde o futebol já era mais desenvolvido.

Quando, em 1927, o governo fascista decidiu pela fusão de todas as equipes de futebol da capital, para formar um único clube — a A.S. Roma, maior rival dos laziali —, a Lazio foi a única a resistir, graças à intervenção do general Giorgio Vaccaro.

Nos anos 30, a Lazio de Silvio Piola — maior atacante italiano de todos os tempos deixou escapar o Scudetto em duas oportunidades. A equipe romana também foi vice-campeã da Copa Mitropa, primeiro grande torneio entre clubes europeus e muito prestigiado na época; o título ficou com os húngaros do Ferencvaros. Enquanto isso, outros esportes chegavam à Società Sportiva Lazio, de onde surgiam vários medalhistas olímpicos.

A Lazio do final da década de 30, com Piola em pé, ao centro. O artilheiro marcou 149 gols com a camisa da Lazio em 274 partidas na Serie A
O primeiro título nacional veio em 1958, com a conquista da Coppa Italia contra a Fiorentina; a equipe que tinha o capitão Bob Lovati no gol, o brasileiro Humberto Tozzi no ataque e era treinada por Fulvio Bernardini venceu a final com um gol de Prini. Treze anos mais tarde, em 71, a Lazio venceria a Coppa delle Alpi, seu primeiro troféu internacional. Se formava ali a equipe que, em poucos anos, conquistaria o tão sonhado Scudetto. Antes, em 73, a Lazio, recém promovida da Serie B, chegou perto, ficando na terceira posição e brigando pelo título até a última rodada.

A Lazio com seu primeiro troféu nacional, conquistado sob o olhar de 60 mil torcedores
Foi na temporada 1973-74 que a incrível Lazio de Tommaso Maestrelli e do histórico presidente Umberto Lenzini, com uma campanha fantástica, venceu o primeiro Scudetto. A equipe que tinha Pino Wilson, Re Cecconi, D'Amico e um certo Chinaglia — que foi artilheiro da competição ganhou o campeonato com uma rodada de antecedência, desbancando a atual campeã Juventus.

Em pé: Wilson, Oddi, Martini, Pulici, Petrelli, Chinaglia. Agachados: Frustalupi, Re Cecconi (com a criança), Nanni, D'Amico, Garlaschelli. A mítica Lazio campeã italiana
Após a conquista, a equipe biancoceleste passou por momentos difíceis. A vaga para a Copa dos Campeões foi perdida, devido à incidentes em campo e nas arquibancadas, na partida contra o Ipswich, pela Copa Uefa do ano anterior. O treinador Maestrelli se adoentou e faleceu algum tempo depois. A saída de Chinaglia para os Estados Unidos e as trágicas morte de Re Cecconi e do torcedor Vincenzo Paparelli pareciam selar uma maldição. Para piorar, a Lazio se envolveu em um escândalo de apostas e manipulação de resultados, e acabou sendo rebaixada, em 1980,  para a Serie B, retornando à máxima série três anos depois, mas caindo novamente em 85.

A Lazio da temporada 1986-87 foi, talvez, a mais guerreira da história. A equipe, que começou o campeonato com nove pontos negativos, conseguiu evitar a queda para a Serie C, vencendo Taranto e Campobasso, ambos por 1 a 0, no triangular final. Na temporada seguinte, os biancocelesti voltaram definitivamente para a Serie A.
Os anos 90, ao contrário da década anterior, foram anos de glória para a Lazio. Sergio Cragnotti chegou à presidência do clube. O time que tinha Giuseppe Signori — três vezes artilheiro da Serie A com a Lazio — e era treinado por Dino Zoff, voltou a lutar no topo da tabela: foi quinto em 92-93, terceiro em 93-94 e 95-96, vice-campeão em 94-95, quarto em 96-97. Surgiam ídolos como Marcheggiani, Negro, Nesta, Nedved e Casiraghi, que, junto com Signori, formou uma das melhores duplas de ataque da época.
 
Mas foi na temporada 97-98 que a Lazio voltou a conquistar um título. Com a chegada do técnico Sven-Göran Eriksson e de craques como Roberto Mancini, Vladimir Jugovic e Matías Almeyda, a equipe biancoceleste venceu o Milan na final da Coppa Italia. Na Copa Uefa, a Lazio foi finalista, mas perdeu para a Inter de Ronaldo e Zamorano em Paris.

Na temporada seguinte, a equipe continua fortíssima: Salas e Mihajlovic, Conceição, Couto, Vieri, entre outros, reforçam o time. Logo no começo da stagione, a Lazio conquista a Supercoppa sobre a Juventus. Os biancazzurri voltam a ser vice campeões italianos, ficando apenas um ponto atrás do Milan, e vencem a última edição da Recopa Europeia, contra o Mallorca, se tornando a primeira e única equipe romana a ter títulos da Uefa.


O ano do centenário seria ainda mais vitorioso; chegam os argentinos Verón e Simeone. A Lazio vence a Supercopa Europeia contra o poderoso Manchester United, com gol de Salas. Na Liga dos Campeões, a equipe cai para o Valencia nas quartas de final. Enfim, vem o segundo Scudetto, na última rodada, de forma emocionante. A Lazio venceu sua partida contra a Reggina, mas ainda não podia comemorar o título, pois o jogo entre Juventus e Perugia, estava interrompido por causa da chuva, e recomeçou com uma hora de atraso. Os jogadores e torcedores permaneceram no Stadio Olimpico, para acompanhar o final da partida em Perugia. Os donos da casa surpreenderam e venceram por 1 a 0. Só então pode-se comemorar: a Lazio é campeã da Itália! Três dias depois, mais uma Coppa Italia, a terceira, é vencida pelos laziali, contra a Inter.

A Lazio que conquistou a Itália e a Europa (foto: Getty Images)

Em 2000-01, a equipe de Eriksson, reforçada por Hernán Crespo e Claudio López, vence a segunda Supercoppa. Já com Zoff no comando, a equipe termina o campeonato na terceira posição. Nos anos seguintes, a Lazio não consegue repetir os feitos anteriores, e negocia alguns de seus principais jogadores; o clube passa por problemas financeiros.

A quarta Coppa Italia vem em 2004, com Roberto Mancini no comando da equipe. Mas os problemas econômicos continuam, e a Lazio passa por uma forte crise. O clube é adquirido por Claudio Lotito, que consegue recuperar a estabilidade financeira. Nos campos, a equipe volta à Liga dos Campeões em 2007, após um terceiro lugar na Serie A, e vence a Coppa Italia e a Supercoppa em 2009.

Recentemente, em 2010, a equipe biancoceleste, treinada por Edy Reja, se reforçou com o brasileiro Hernanes e conseguiu uma quinta posição, brigando até o fim por uma vaga na Champions League. Na temporada 2011-12, a chegada de Klose não foi suficiente para fazer a Lazio chegar à Liga dos Campeões, assim como na temporada 2012-13.

No dia 26 de maio de 2013, a Lazio confirmou sua hegemonia na capital italiana: o gol de Senad Lulic deu aos aquilotti a vitória inédita numa final entre times romanos, aquela da Coppa Italia. A prova máxima de que a Lazio é e sempre será a Prima Squadra della Capitale!

26 de maio de 2013: Roma é biancoceleste!
Confira as estatísticas e curiosidades da vasta história laziale aqui.